COMO INICIAR UMA CARREIRA DE PERITO AMBIENTAL JUDICIAL

Recentemente, muitas pessoas têm descoberto que existe a possibilidade de profissionais de diversas áreas (engenheiros, economistas, contadores, agrônomos, arquitetos…) exercerem atividades de Perito Ambiental Judicial.

Se você realizar uma breve busca na internet verá que é possível encontrar alguns textos explicando que são atividades sem nenhum vínculo empregatício, além de não haver necessidade de prestar nenhum concurso para tal.

Resumidamente, a tarefa de um perito é fornecer laudos técnicos que serão usados como prova dentro de um processo. Para cada laudo realizado, o profissional recebe honorários proporcional as características do processo e quantidade de horas trabalhadas.

Essa atividade inclusive pode ser desenvolvida paralelamente ao seu trabalho “oficial”? Mas…

perito ambiental judicial

Qual o caminho para ser nomeado e iniciar um Carreira como

Perito Ambiental Judicial?

Neste post eu explico sucintamente, que existem basicamente dois caminhos para isso:

1- Ser Perito Judicial nomeado por um juiz em um processo. Nesse caso o juiz irá nomear o perito e lhe dar um prazo para emitir um laudo respondendo os quesitos elaborados pelas partes do processo (autor e réu).  Dependendo do Tribunal já existe uma lista disponível para que os interessados em ser perito judicial se cadastrem, pois de acordo com o Art. 156 do NCPC (Novo Código de Processo Civil) os tribunais deverão manter um cadastro de peritos. Ainda de acordo com o Art. 156,  § 5o  “Na localidade onde não houver inscrito no cadastro disponibilizado pelo tribunal, a nomeação do perito é de livre escolha pelo juiz e deverá recair sobre profissional ou órgão técnico ou científico comprovadamente detentor do conhecimento necessário à realização da perícia”.

2- Assistente Técnico do autor ou do réu de um processo. Você é contratado por um advogado/escritório e irá fazer a perícia junto com o Perito Judicial nomeado pelo juiz. Cada um apresenta um laudo técnico sobre a perícia. O que você precisa pra isso é contato com escritórios de advocacia que atuem na área que você é especialista.

De qualquer forma, o primeiro passo é a formação técnica: para ser um Perito Ambiental é necessária uma formação que atribua ao profissional, competências técnicas relacionadas à gestão e tecnologias ambientais.

O segundo passo é a qualificação: o Perito Ambiental precisa se qualificar através de cursos específicos, e da leitura das legislações pertinentes e metodologias existentes para a execução de perícias.

Saber da rotina e burocracia forense é essencial para não atrapalhar o andamento do processo, o juiz e as partes. Perito judicial que não conhece a burocracia tem grandes possibilidades de não alcançar o sucesso e de não perm

Destaco ainda que para tornar a atividade de perícia ambiental como a principal de um profissional, ‘em tempo integral’, é necessário uma vasta experiência e dedicação, o que não acontece do dia para a noite.

Artigo por: Renata Pifer
Consultora, Mentora e Palestrante em Gestão Ambiental e Estratégias Sustentáveis, Auditora e Perita em Meio Ambiente, Executive and Business Coach. Consultora e Analista Comportamental e Trainer.

Quer ler mais sobre Perícia Ambiental?

Conheça nossos CURSOS PRESENCIAIS DE FORMAÇÃO EM PERITO AMBIENTAL – Turmas e Datas